Make your own free website on Tripod.com

PEQUENO DICIONÁRIO DE SAÚDE

ABSCESSO

Acúmulo de pus no interior de um tecido ou órgão, provocado por infecção bacteriana ou fúngica

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

Conhecido pelo termo popular derrame, é também identificado pela sigla AVC. É provocado por obstrução (trombose ou embolia) ou rompimento de vasos cerebrais, causando isquemia ou hemorragia. Caracteriza-se por ataques, alterações da consciência, paralisias e problemas hemorrágicos.

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL HEMORRÁGICO

Acidente vascular cerebral causado pelo rompimento de um vaso sanguíneo e conseqüente hemorragia.

ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ISQUÊMICO

Acidente vascular cerebral causado por trombose ou embolia e conseqüente isquemia

ÁCIDO ÚRICO

Substância cristalina residual, fruto do metabolismo de algumas proteínas. É eliminada, em geral, pela urina. Em excesso, pode cristalizar-se nos tecidos, provocando gota ou cálculos renais.

ACIDOSE

Distúrbio do equilíbrio ácido-básico do organismo, levando à diminuição do pH sanguíneo, ou seja, tornando o sangue mais ácido do que o normal.

ACOMETIMENTO PLEURAL

Qualquer condição que afeta a pleura.

ACRÔMIO

Protuberância óssea da escápula que se articula com a clavícula.

ACRÔMIO-CLAVICULAR

Articulação entre o acrômio e a clavícula.

AFEBRIL

Sem febre.

AFECÇÃO

Qualquer acometimento, podendo também ter a conotação de doença.

AGUDO

Manifestação repentina dos sintomas de uma doença.

ALIMENTAÇÃO PARENTERAL

A alimentação que se faz por via parental.

ALTERAÇÃO DA PERMEABILIDADE CAPILAR PULMONAR

Diz-se quando os vasos sanguíneos pulmonares se tornam mais permeáveis, permitindo que o sangue ou a linfa saiam dos vasos e penetrem nos alvéolos, podendo levar à insuficiência respiratória. É causada por inúmeras condições diferentes – entre elas, infecções, traumas, politransfusão.

ALVEOLITE

Inflamação dos alvéolos, que pode levar à diminuição da oxigenação sanguínea.

ALVÉOLO

Unidade de troca gasosa dos pulmões. É responsável pela oxigenação do sangue e eliminação do gás carbônico.

ALZHEIMER, MAL DE OU DOENÇA DE

Degeneração anormal e lenta do cérebro, comprometendo a memória e as atividades cotidianas da pessoa afetada. De causa ainda desconhecida, acomete principalmente idosos.

AMNIOCENTESE

Ver EXAMES.

ANEMIA

Diminuição do número de glóbulos vermelhos no sangue.

ANEURISMA

Dilatação de artéria, provocada por arteriosclerose, inflamações ou traumatismos.

ANGINA

Dor opressiva e espasmódica em qualquer parte do corpo. O termo é comumente utilizado para designar apenas um tipo de dor – a que se manifesta no peito -, confundindo um sintoma (a dor) com o mal que o provoca. Neste caso (angina pectoris), o mal é a falta de oxigênio no músculo do coração (insuficiência circulatória).

ANGIOGRAFIA

Ver EXAMES.

ANGIOMA

Tumor de comportamento benigno, causado pela proliferação anormal de vasos sanguíneos.

ANOREXIA

Falta de apetite.

ANOREXIA NERVOSA

Um dos distúrbios de alimentação, a anorexia nervosa é uma grave perda de apetite que ocorre mais freqüentemente em adolescentes do sexo feminino.

ANGIOPLASTIA

Procedimento corretivo de estreitamentos vasculares. Utilizam-se cateteres com balões na extremidade, que são insuflados (dilatados) no nível do estreitamento.

ANTIBIOGRAMA

Ver EXAMES.

ANTIBIÓTICO

Medicamento utilizado no combate às infecções.

ANTICORPO

Substância produzida pelo organismo para combater um antígeno.

ANTÍGENO

Qualquer substância estranha ao organismo. Estimula a formação de anticorpos.

APARELHO DE VENTILAÇÃO MECÂNICA

Ver RESPIRAÇÃO.

APÊNDICE CECAL

Saliência vermiforme que se projeta do ceco ( primeira parte do intestino grosso).

APENDICECTOMIA

Remoção cirúrgica do apêndice.

APENDICITE

Inflamação do apêndice.

APENDICITE AGUDA

Evolução rápida de uma infecção do apêndice. Exige internação imediata do paciente para a realização de uma apendicectomia, evitando agravamento e peritonite (inflamação séria do revestimento abdominal).

APENDICITE PERFURADA

Ruptura do apêndice. É provocada pela apendicite aguda e pode causar peritonite (inflamação séria do revestimento abdominal).

ARACNÓIDE

Revestimento membranoso médio do cérebro e da medula espinhal.

ÁREA NECRÓTICA

Ver NECROSE.

ARRITMIA

Termo geralmente utilizado para designar uma alteração dos batimentos cardíacos (arritmia cardíaca).

ARTÉRIA CORONÁRIA

Vaso que transporta sangue para fora do coração.

ARTERIOSCLEROSE

Endurecimento e perda de flexibilidade das artérias. Esta condição é causada pelo acúmulo de gordura nas paredes dos vasos sanguíneos.

ARTICULAÇÃO

Área de junção de dois ou mais ossos que permite movimento.

ARTRITE

Inflamação em articulação. Provoca dor, inchaço de dificuldade de movimentação. Suas causas podem ser variadas.

ARTROSCOPIA

Ver EXAMES.

ARTROSE

Doença degenerativa em uma articulação.

ÁRVORE BRÔNQUICA

Compreende os brônquios e as suas subdivisões (que são as vias de condução de ar nos pulmões).

ASCITE

Acúmulo de líquido na cavidade abdominal.

ATEROSCLEROSE

Arteriosclerose das artérias maiores, provocada por ateromas (alteração degenerativa das paredes dessas artérias em tecido gorduroso).

AUTOMATISMO MEDULAR

Perda da capacidade de contração voluntária dos músculos, que se caracteriza por contrações involuntárias, geralmente nos membros inferiores.

BACIA

Também chamada de pelve: parte inferior do tronco limitada pelos ossos ilíaco, sacro e cóccix.

BACTÉRIAS

Conjunto de organismos do reino dos unicelulares. Alguns deles podem provocar doenças nos seres humanos e animais.

BACTERIOSCOPIA

Procura da evidência de presença de bactéria em excreções ou secreções (por exemplo, na urina), sem a realização de cultura. Esta procura se faz por meio da utilização de um corante e de microscópio.

BATIMENTO CARDÍACO

Pulsação desencadeada pelo movimento de contração e dilatação do coração.

BIÓPSIA

Retirada de um fragmento de tecido vivo para exames microscópicos e histológicos, com o objetivo de se estabelecer um disgnóstico.

BOTULISMO

Infecção tóxica alimentar, provocada pelo consumo de alimentos contaminados pela toxina do bacilo Clostridium botulinium.

BRONCOASPIRAÇÃO

Termo utilizado para descrever duas situações distintas:
1. Procedimento de aspiração nas vias aéreas (por broncoscopia ou por sondas especiais acopladas a um sistema a vácuo);
2. Processo em que materiais estranhos às vias aéreas podem atingi-las (por exemplo, em engasgos com alimentos ou secreções).

BRONCOPNEUMONIA

Infecção pulmonar com acometimento de vias aéreas e alvéolos.

BRONCOSCOPIA

Ver EXAMES.

BRONCOSCOPIA COM LAVADO BRONCO ALVEOLAR

Ver EXAMES.

BRONQUIOLITE

Inflamação dos bronquíolos, que pode estar associada a diversas doenças pulmonares, entre elas a broncopneumonia.

BRONQUIOLITE OBLITERANTE

Inflamação dos bronquíolos, em que ocorre uma proliferação de células dentro dos mesmos, podendo atingir os alvéolos e levar à insuficiência respiratória.

BRONQUÍOLOS

As menores subdivisões dos brônquios.

CÁLCULO

Formação sólida composta de sais minerais e de outros tipos de substâncias. Localiza-se, mais freqüentemente, nas passagens das vias urinárias e biliares e nas glândulas salivares.

CÂMARA HIPERBÁRICA

Equipamento que fornece pressões de oxigênio superiores às da atmosfera. É utilizado no tratamento de doenças e descompressão e proporciona oxigenação hiperbárica.

CARCINOMA

Tumor formado por células epiteliais, presentes no tecido que forma a pele e que cobre a superfície interna e externas de vários órgãos.

CARTILAGEM

Ver CARTILAGEM ARTICULAR e TECIDO CARTILAGINOSO.

CARTILAGEM ARTICULAR

Tecido que reveste os ossos de uma articulação, permitindo o movimento deslizante sem atrito e sendo capaz de suportar grande pressão.

CATETER

Tubo fino e oco, geralmente percutâneo, utilizado para infundir soluções, medir pressões ou desobstruir estruturas.

CATETERISMO

Procedimento clínica no qual se introduz um cateter. O termo é mais conhecido por sua utilização em cardiologia.

CÉLULA

Unidade estrutural dos seres vivos. Minúscula, é capaz de se reproduzir, crescer e reagir a estímulos.

CHOQUE

Estado de má perfusão dos tecidos.

CHOQUE HIPOVOLÊMICO

Choque causado pela redução do volume de sangue ou fluidos no organismo.

CIRURGIA BUCO-MAXILO-FACIAL

Especialidade que trata as alterações de forma e função dos tecidos moles, dos ossos e elementos dentários da face, sejam pós trauma (fraturas dos ossos da face), congênitas (desde o nascimento) ou de desenvolvimento.

CISTO

Cavidade fechada em forma de saco que contém secreções anormalmente bloqueadas. Pode se formar em várias partes do corpo e ser de diferentes tipos, exigindo tratamento diferenciado de acordo com o tipo.

CITOMEGALOVÍRUS

Grupo de herpesvírus (qualquer vírus pertencente à família Herpetoviridae), capaz de infectar homens e animais.

COAGULAÇAO

Processo no qual o sangue adquire consistência mais sólida (coágulo) e impede a progressão de sangramento.

COAGULAÇÃO INTRA-VASCULAR DISSEMINADA

Formação de coágulos intra-vasculares por síndrome hemorrágica provocada pela ativação descontrolada de fatores de coagulação.

COÁGULO

Massa resultante da coagulação do sangue.

COLECISTECTOMIA

Remoção cirúrgica da vesícula biliar.

COLECISTITE

Inflamação da vesícula biliar.

COMA

Distúrbio do estado de consciência caracterizado pela alteração das atividades cerebrais superiores. Nos casos mais severos, o paciente pode perder a capacidade de respiração espontânea.

COMA ARREATIVO

Diz-se do estado de coma no qual o paciente não reage aos estímulos.

COMA DIABÉTICO

Coma provocado por casos graves e não adequadamente tratados de diabetes melito.

COMA VIGIL

Diz-se do estado de coma no qual o paciente se mantém de olhos abertos, mas não estabelece qualquer contato com o mundo exterior.

COMPROMETIMENTO CEREBRAL

Comprometimento das atividades cerebrais, em consequência das mais diversas causas. Pode ser acentuado ou difuso.

CÔNDILO

Saliência óssea arredondada, especialmente a dos ossos fêmur, úmero e mandíbula.

CONSTRIÇÃO

Compressão, contração ou estreitamento.

CONTUSÃO

Lesão sem ruptura de qualquer órgão, geralmente provocada por um golpe ou trauma.

CORTICOTERAPIA

Tratamento com medicamentos corticosteróides.

COTO

Extremidade de uma parte remanescente do corpo que foi submetida a uma amputação ou ablação cirúrgicas.

CRANIECTOMIA

Qualquer cirurgia realizada no crânio, sendo que o osso não é recolocado em seu local de origem.

CRANIOPLASTIA

Correção de ossos do crânio, utilizando-se o próprio osso do paciente ou material sintético – por exemplo, metilmetacrilato.

CRANIOTOMIA

Qualquer cirurgia realizada no crânio, sendo que o osso é recolocado em seu local de origem.

CRÔNICO

Diz-se de doença de evolução prolongada.

CULTURA

Ver EXAMES.

DEBRIDAMENTO CIRÚRGICO

Retirada cirúrgica de um tecido morto ou corpo estranho.

DÉFICIT MOTOR

Comprometimento de função motora.

DERRAME

Ver ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL.

DERRAME PERICÁRDICO

Acúmulo excessivo de líquido dentro das membranas que formam o pericárdio (saco que envolve o coração).

DERRAME PLEURAL

Presença de uma quantidade anormal de líquido no espaço pleural (espaço entre os pulmões e a caixa torácica).

DESCOLAMENTO DE RETINA

Separação parcial ou total da superfície do fundo do olho sensível à luz (retina), da camada média do globo ocular (coróide).

DESCOMPRESSÃO

Processo que visa diminuir a pressão excessiva sobre uma determinada área do corpo. Pode exigir procedimento cirúrgico.

DESCOMPRESSÃO MEDULAR

Diminuição de uma pressão mecânica excessiva sobre a medula espinhal.

DESFIBRILAÇÃO

Tentativa de conversão de uma fibrilação ventricular cardíaca ao ritmo normal, utilizando descargas elétricas.

DESINSERÇÃO

Arrancamento de tendão do seu ponto de inserção óssea.

DIABETES

Ver DIABETES INSIPIDUS e DIABETES MELITO.

DIABETES INSIPIDUS

Distúrbio que leva à perda da capacidade renal de retar água, ocasionando perda de grandes quantidades de água e urina.

DIABETES MELITO

Doença provocada pela falta absoluta ou relativa de insulina, levando à elevação dos níveis de açúcar sanguíneo.

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM

Ver EXAMES.

DIÁLISE

Ver HEMODIÁLISE.

DIAFUNÇÃO

Comprometimento das atividades de um componente do organismo, como órgãos, músculos, etc ...

DISPNÉIA

Sintoma que se expressa por dificuldade de respiração.

DISTENSÃO

Termo geralmente utilizado para distensão muscular, quando ocorre uma ruptura de fibras do tecido muscular provocada por tração excessiva.

DISTROFIA

Alterações do trofismo (referente à nutrição) de órgãos ou tecidos. A distrofia muscular é um distúrbio congênito.

DISTÚRBIO

Alteração na estrutura ou no funcionamento de um dos componentes do organismo, causada por uma doença, traumatismo ou falha genética.

DISTÚRBIO FONATÓRIO

Distúrbio da fala.

DIURESE

Relativo ao volume urinário.

DIVERTICULITE

Inflamação de divertículo (pequena estrutura em forma de bolsa ou dedo que se localiza, com mais freqüência, na parede intestinal, mas também pode ser encontrada em outras partes do corpo.

DOENÇA INTESTICIAL PULMONAR

Toda patologia que afeta os componentes do arcabouço de sustentação pulmonar, incluindo os septos alveolares (denominação que se dá à estrutura das paredes alveolares).

DRENAGEM

Retirada de excesso de líquido (líquor) ou secreções.

DURA-MATER

Revestimento membranoso externo do cérebro e da medula espinhal

ECLÂMPSIA

Doença grave que pode acometer as mulheres nos últimos meses de gravidez. Caracteriza-se por hipertensão, edemas e convulsões.

ECOCARDIOGRAMA

Ver EXAMES.

EDEMA

Acúmulo excessivo de líquido em espaços existentes nos tecidos do organismo.

EDEMA CEREBRAL FRONTO-PARIETO-OCCIPITAL

Edema localizado na região frontal, parietal e occipital do cérebro.

ELETROCARDIOGRAMA

Ver EXAMES.

ELETROENCEFALOGRAMA

Ver EXAMES.

ELETRONEUROMIOGRAFIA

Ver EXAMES.

EMBOLIA

Obstrução de uma artéria ou veia por uma massa anormal conduzida pelo sangue. Essa massa pode ter várias origens e ser de diferentes tipos. Por exemplo, um coágulo, gotículas de gordura, corpos estranhos ou mesmo ar.

EMPIEMA

Acúmulo de pus em cavidade do corpo, geralmente causado por infecção bacteriana.

ENCEFALITE

Inflamação do encéfalo, muitas vezes causada por vírus.

ENCEFALITE HERPÉTICA

Encefalite causada por herpes simplex.

ENCÉFALO

Parte do sistema nervoso central contida na cavidade craniana. Consiste de cérebro,cerebelo, mesencéfalo, ponte e bulbo.

ENDOSCOPIA

Ver EXAMES.

ENTUBAÇÃO

Ver INTUBAÇÃO.

ENXERTIA

Ato de enxertar um tecido.

ENXERTO

Procedimento que faz a transferência de determinado órgão ou tecido de um local para outro.

ENXERTO ÓSSEO AUTÓLOGO

Enxerto ósseo no qual se utiliza o próprio osso do paciente.

EPIGLOTITE

Inflamação da epiglote (cartilagem, situada na parte superior da laringe, que protege a glote durante a deglutição).

ERISIPELA

Doença infecciosa que afeta a pele e a camada subcutânea, sendo provocada por estreptococos ou outras bactérias.

ESCALA DE GLASGOW

Escala (com notas de 3 a 15) utilizada na avaliação do comprometimento da consciência. Essa avaliação inclui resposta motora, desempenho verbal e abertura dos olhos.

ESPECTRO ANTIBIÓTICO

Refere-se aos grupos de microorganismos contra os quais o antibiótico é eficaz.

ESTENOSE

Estreitamento de qualquer canal existente no organismo.

EUPNÉIA

Respiração normal.

EUPNÉICO

Diz-se da pessoa que respira num ritmo normal (fisiológico).

EXAME DE POTENCIAL EVOCADO

Ver EXAMES.

EXAME LABORATORIAL

Ver EXAMES.

EXAMES

Investigação e pesquisa, realizadas com o objetivo de se estabelecer um diagnóstico.

 

# Amniocentese – Indicado para o diagnóstico pré-natal de alguns distúrbios genéticos, este procedimento é realizado em várias fases da gravidez. Implica na punção e colheita do líquido amniótico, cujo conteúdo é analisado através de cultura de célulase exames bioquímicos e celulares com vários fins.

 

# Angiografia – Radiografia dos vasos sanguíneos, realizada após a introdução de um meio de contraste opaco não-tóxico (corante injetado num vaso sanguíneo que não permite a penetração de radiação).

 

# Antibiograma – Exame que estuda a sensibilidade e a resistência de bactérias a antibióticos.

 

# Artroscopia – Exame do interior de uma articulação com o auxílio de um instrumento (artroscópio) que permite a visualização e até algumas intervenções sem a necessidade de abertura cirúrgica.

 

# Broncoscopia – Exame visual da parte interna dos brônquios, feito com auxílio de um instrumento especial (que utiliza fibra óptica) chamado broncoscópio.

 

# Broncoscopia com lavabo bronco alveolar – Exame que consiste na introdução de uma solução estéril – usualmente soro fisiológico – no pulmão. Em seguida, essa mesma solução é coletada e encaminhada para exame laboratorial. Pode ser útil para auxiliar no diagnóstico de patologias pulmonares e determinar o agente que causa uma infecção pulmonar.

 

# Cultura – Cultivo de microrganismos em meios de cultura em laboratório.

 

# Diagnóstico por imagem – Diagnóstico realizado a partir de exames que permitem a visualização das áreas afetadas. Entre esses exames estão as radiografias, a ultrassonografia, a tomografia computadorizada etc.

 

# Ecocardiograma – Exame realizado com um instrumento específico (ecocardiógrafo) que registra e monitora o padrão de eco, produzido por ondas ultrasônicas refletidas pelo coração.

 

# Eletrocardiograma – Exame realizado com um instrumento específico (eletrocardiógrafo) que registra e monitora as correntes elétricas que se originam do coração.

 

# Eletroencefalograma – Exame realizado com um instrumento específico (eletroencefalógrafo) que registra e monitora a atividade elétrica do encéfalo.

 

# Eletroneuromiografia – Exame realizado com estimuladores especiais elétricos, capazes de avaliar a integridade das vias nervosas periféricas e da musculatura.

 

# Endoscopia - Exame visual da parte interna de uma cavidade do corpo ou de uma víscera, realizado com um instrumento chamado endoscópio. O termo é mais freqüentemente usado para referir-se ao exame do aparelho gástrico.

 

# Exame de potencial evocado – Estudo da atividade elétrica de uma parte do sistema nervoso pela qual está passando um estímulo sensorial aferente (visual, auditivo e somato-sensitivo).

 

# Exame laboratorial – Análise laboratorial de material (sangue, urina, fezez, etc.) retirado de uma pessoa, com o objetivo de avaliar o seu estado geral, diagnosticar uma doença ou monitorar uma terapêutica.

 

# Hermograma – Exame laboratorial de sangue que dá informações quantitativas sobre as hemáceas (glóbulos vermelhos), os leucócitos (glóbulos brancos), as plaquetas (partículas do plasma sanguíneo) e a hemoglobina (pigmento existente nas hemáceas).

 

# Laparoscopia – Exame visual do interior da cavidade abdominal, graças à introdução, pela parede do abdome (apenas com um pequeno orifício), de um instrumento conhecido como laringoscópio.

 

# Laringoscopia – Exame visual da laringe, realizado com um instrumento chamado laringoscópio.

 

# Ressonância Magnética – Exame diagnóstico por imagem que utiliza procedimento em que o paciente é colocado dentro de um campo magnético e é submetido a impulsos de radiofreqüência em ângulos diversos. Os íons de hidrogênio do corpo emitem sinais que variam de acordo com a sua maior ou menor concentração e que são processados e transformados em imagens por um computador.

 

# Ressonância magnética com espectroscopia – Ressonância magnética que utiliza um instrumento (espectroscópio) capaz de dispersar as radiações.

 

# Tomografia computadorizada – Radiografia seccional (em fatias) do corpo, cujas imagens são processadas por um computador.

 

# Ultrassonografia – Exame diagnóstico por imagem que utiliza a emissão de ondas de alta freqüência ou ultra-sônicas para localizar e delinear estruturas profundas dentro do organismo.

 

# Excisão – Cortar ou dissecar uma formação estranha de qualquer parte do organismo.

 

# Extração Endoscópica – Extração realizada com o auxílio de um endoscópio.

 

# Extubação – Retirada de sonda usada para intubação.

FALÊNCIA DE MÚLTIPLOS ÓRGÃOS

Comprometimento simultâneo das funções de vários órgãos do corpo.

FALHA ÓSSEA

Falha da continuidade de um osso, com perda de massa óssea.

FATORES DE COAGULAÇAO

Fatores do plasma, responsáveis pela coagulação sanguínea.

FIBRILAÇÃO

Tremores ou contrações rápidas e descoordenadas de fibrilas (pequenas fibras musculares).

FIBRILAÇAO ATRIAL

Contrações rápidas e irregulares dos átrios cardíacos.

FIBRILAÇÃO VENTRICULAR

Excitação rápida e irregular dos ventrículos cardíacos, impedindo a sua contração ordenada.

FIBROMA

Tumor benigno do tecido conjuntivo, podendo ocorrer em qualquer lugar do corpo, mais comumente no útero.

FISIOTERAPIA

Tratamento que utiliza massagem, exercício e aplicação de maios físicos como o calor, frio, luz, água e a eletricidade, promovendo a recuperação das funções motoras e respiratórias do paciente.

FISIOTERAPIA MOTORA

Procedimentos de fisioterapia que promovem a recuperação dos movimentos.

FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA

Um conjunto de procedimentos que auxiliam a melhora da função respiratória do paciente.

FIXAÇÃO EXTERNA

Estabilização de uma fratura, usando aparelhos de fixação extrenos ao osso.

FIXAÇÃO INTERNA

Estabilização de uma fratura, usando material de osteossíntese em contato direto com o osso.

FRAÇÕES INSPIRADAS DE OXIGÊNIO

Quantidade de oxigênio misturado ao ar que é fornecida a um paciente, seja por intermédio de máscara, cateter ou respirador mecânico.

FRATURA

Perda da continuidade de um osso, comprometendo a sua integridade.

FRATURA COMINUTIVA

Fratura de um osso que fica fragmentado em vários pedaços.

FRONTO-PARIETAL

Referentes aos lobos frontal e parietal do encéfalo.

FUNÇÃO

A atividade de um órgão ou sistema.

GAMAGLOBULINA

Proteína do sangue dotada de atividade de anticorpo.

GÂNGLIO NEURAL

Grupos de corpos de células nervosas localizadas no sistema nervoso periférico.

GASTRECTOMIA

Remoção cirúrgica parcial ou total do estômago.

GATROENTERITE

Inflamação do estômago e do intestino causada, geralmente, por infeção bacteriana ou viral.

GESSO CIRCULAR

Aparelho rígido circular, envolvendo os membros.

GRAVE

Condição que apresenta risco de vida.

HEMARTROSE

Hemorragia em uma articulação.

HEMATOMA

Acúmulo de sangue em tecido ou órgão do corpo, em conseqüência de cirurgia ou trauma externo.

HEMATOMA EPIDURAL

Hematoma localizado entre o crânio e a dura-máter.

HEMATOMA SUBDURAL

Hematoma localizado entre a dura-máter e a aracnóide.

HEMODIÁLISE

Terapia de depuração do sangue, através de aparelho que age com um rim artificial, com o objetivo de excretar substâncias normalmente eliminadas na urina.

HEMODIÁLISE POR ULTRAFILTRAÇÃO CONTÍNUA

Hemodiálise contínua, sem interrupção.

HEMODINÂMICO

Relativo ao estudo da movimentação do sangue no organismo.

HEMOFILIA

Distúrbio hereditário que afeta apenas o homem e impede a coagulação normal do sangue. A mulher transmite o gene anormal mas não desenvolve a doença.

HEMOGRAMA

Ver EXAMES.

HEMORRAGIA

Sangramento que acontece quando o sangue sai dos vasos que devem contê-lo.

HEMORRAGIA DIGESTIVA ALTA

Hemorragia localizada no esôfago, no estômago ou nas primeiras porções do intestino delgado (duodeno).

HEMORRAGIA MENÍNGES TRAUMÁTICA

Hemorragia no espaço meníngeo, compreendido entre a pia-máter e a aracnóide, causada por trauma.

HEMOTÓRAX

Existência de sangue na cavidade pleural, o espaço entre a parede torácica e os pulmões.

HEPATITE

Inflamação do fígado que pode ter várias causas: vírus, abuso de álcool, certos medicamentos, malária, etc. A gravidade da doença varia de acordo com o tipo de hepatite.

HÉRNIA

Condição que ocorre quando um tecido ou órgão sai de sua posição normal e pressiona tecidos ou órgãos vizinhos, causando a formação de um caroço ou tumoração.

HÉRNIA DISCAL INTERVERTEBRAL

Condição que ocorre quando o disco intervertebral (fibrocartilagem entre as vértebras) se rompe, saindo de sua posição normal e comprimindo, ou não, a raiz nervosa ou medula espinhal.

HIPERTENSÃO

Elevação anormal da pressão; termo geralmente utilizado para designar a hipertensão sanguínea ou arterial.

HIPERTENSÃO PULMONAR

Elevação anormal da pressão na circulação pulmonar.

HIPERTENSÃO RENAL

Hipertensão arterial de origem renal.

HIPOTENSÃO

Redução anormal da pressão. O termo é geralmente utilizado para designar uma queda na pressão arterial ou sanguínea.

HIPOTERMIA

Redução da temperatura do corpo abaixo do normal.

HIPOVOLEMIA

Redução do volume sanguíneo.

HIPÓXIA

Diminuição de oxigenação que pode ocorrer em várias partes do corpo.

HIPÓXIA CEREBRAL

Ausência ou baixa de oxigênio no cérebro.

HISTERCTOMIA

Remoção cirúrgica do útero. Quando total, o colo do útero também é removido.

HORMÔNIOS

Substâncias químicas produzidas por determinados órgãos (geralmente glândulas) que, uma vez na corrente sanguínea, atuam regulando a atividade de outros órgãos ou sistemas.

ICTERÍCIA

É um sinal clínico provocado por causas variadas, em que a pele e o branco dos olhos ficam amarelados por excesso de bilirrubina no sangue.

IMPLANTE

Na área médica a palavra tem dois sentidos: 1. Inserção proposital de material orgânico (dentes, pele, rim, membros etc.) ou inorgânico (placas, parafusos, válvulas etc.); 2. Migração anormal de parte do tecido de uma estrutura ou órgão para outra estrutura ou órgão.

INFARTO

Área de necrose em algum órgão do corpo, pela incapacidade de fornecimento de sangue para os tecidos. Pode ser isquêmico ou hemorrágico (ver ISQUEMIA e HEMORRAGIA). A gravidade do infarto depende do local onde ocorre.

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

Infarto no músculo cardíaco.

INFARTO CEREBRAL

Infarto isquêmico ou hemorrágico no cérebro (ver ISQUEMIA e HEMORRAGIA).

INFARTO PULMONAR

Destruição de uma porção do pulmão, secundária à interrupção da circulação sanguínea naquele local.

INFECÇÃO

Condição provocada pela penetração e proliferação no corpo de organismos prejudiciais tais como bactérias, vírus, fungos, protozoários.

INFILTRADO INTERSTÍCIO-ALVEOLAR BILATERAL

Padrão radiológico que mostra comprometimento dos alvéolos e do arcabouço de sustentação pulmonar.

INSUFICIÊNCIA

Condição em que um órgão é incapaz de cumprir sua função. Assim, por exemplo, a insuficiência coronariana é a incapacidade das artérias coronárias em irrigar o coração.

INTENSIVISTA

Médico especializado no atendimento de paciente internado em uma unidade de terapia intensiva.

INTUBAÇÃO

Colocação de um tubo ou sonda em um paciente.

INTUBAÇÃO ORO-TRAQUEAL

Introdução de uma sonda pela boca e traquéia.

INVAGINAÇÃO INTESTINAL

Obstrução intestinal causada pela penetração de uma parte do intestino nele próprio. Ocorre, em geral, em crianças e, muitas vezes, requer cirurgia.

ISQUEMIA

Diminuição ou supressão da irrigação sanguínea para uma determinada parte do organismo produzida por um bloqueio de artéria.

LAPAROSCOPIA

Ver EXAMES.

LAPAROTOMIA

Abertura cirúrgica do abdome para diagnóstico dos órgãos internos ou como preparação para cirurgia posterior.

LARINGECTOMIA

Remoção cirúrgica da laringe.

LARINGOSCOPIA

Ver EXAMES.

LESÃO

Dano ou anormalidade em qualquer estrutura ou funcionamento de um órgão do corpo.

LESÃO CEREBRAL POR HIPÓXIA

Dano no cérebro provocado pela falta de oxigênio.

LEUCEMIA

Doença caracterizada pela produção desordenada de certo tipo de células brancas do sangue (leucócitos).

LIGAMENTO

Estrutura, formada por tecido fibroso, que une articulações ou órgãos do corpo, dando-lhes apoio e permitindo seu movimento.

LIGAMENTO CONÓIDE

Ligamento que estende da clavícula à apófise coracóide (que termina a borda superior da escápula).

LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR

Ligamento que se estende da tíbia até o côndilo lateral do fêmur.

LIGAMENTO TRAPEZÓIDE

Ligamento que se estende da clavícula à apófise coracóide (que termina a borda superior da escápula).

LINFADENECTOMIA

Remoção cirúrgica de nódulo linfático.

LINFOMA

Tumor dos tecidos linfáticos, geralmente maligno.

LÍQUIDO CÉFALO-RAQUIDIANO

O mesmo que líquor, é uma substância líquida contida nas membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal, nutrindo-os e protegendo-os contra choeques.

LÍQUIDO PLEURAL

Líquido existente entre as membranas pleurais (que revestem os pulmões externamente e a caixa torácica internamente), lubrificando e facilitando a movimentação dos pulmões, durante a respiração.

LUXAÇÃO

Perda da congruência óssea de uma articulação.

MALÁRIA

Doença infecciosa provocada por protozoários do gênero Plasmodium. Seus sintomas incluem calafrios, febre, sudorese, anemia e aumento do tamanho do baço e do fígado.

MALÁRIA FALCIPARUM

É a forma mais grave de malária, sendo causada pelo parasito Plasmodium falciparum. Conhecida também como malária terçã maligna, porque seus sintomas se repetem a cada três dias.

MARCAPASSO CARDÍACO

Instrumento que estimula artificialmente a contração do músculo cardíaco através de impulsos elétricos. O termo significa também as células da cavidade superior do coração que determinam o ritmo cardíaco. Neste caso, o termo mais utilizado é nó sinoatrial.

MASTECTOMIA

Remoção cirúrgica parcial ou total da mama.

MELANOMA

Tumor constituído por melanócitos, as células formadoras de pigmentos escuros (melanina) da pele.

MENINGE

Membrana. O termo é habitualmente usado para referir-se às membranas que revestem o cérebro e a medula espinhal (dura-máter, aracnóide e pia-máter).

MENINGITE

Inflamação das meninges por vírus, fungos, bactérias ou protozoários.

MENISCECTOMIA

Remoção cirúrgica de menisco.

MENISCO

Estrutura fibrocartilaginosa, no formato de lua, localizada no joelho e nas articulações acrômio e esterno clavicular e têmporo-mandibular.

METÁSTASE

Disseminação de uma doença, atingindo órgãos próximos ou distantes daquele que foi inicialmente afetado.

MICROCIRURGIA

Cirurgia realizada com microscópio em partes do corpo que exigem extremo cuidado, como cérebro, olhos etc.

MICROCIRURGIA VASCULAR INTRACRANIANA

Microcirurgia em vasos localizados no interior do crânio.

MIELOMA

Tumor maligno da medula óssea.

MIELOMA MÚLTIPLO

Tumor que geralmente se inicia na medula óssea.

MIOCÁRDIO

Músculo cardíaco.

MONITOR DE PRESSÃO INTRACRANIANA

A parelho para medir, acompanhar e avaliar a pressão intracraniana.

MONITORAÇÃO

Ato de vigiar uma atividade ou uma função (monitoração respiratória, da pressão, dos batimentos cardíacos etc.

MUCO

Secreção contínua e viscosa produzida pelas glândulas mucosas; atua como uma barreira protetora.

MUCOCELE

Cisto ou pólipo mucoso.

MÚSCULO

Tecido do organismo que tem a capacidade de contração e relaxamento e a função de produzir movimento em partes do corpo. Existem três tipos de músculos: estriado, cardíaco e liso. Os músculos estriados são os esqueléticos e têm ação voluntária; o músculo cardíaco tem ação involuntária e fazem parte de diversos órgãos, como estômago, bexiga etc.

NASOGÁSTRICO

Referente ao nariz e ao estômago. Ver sonda nasogástrica.

NECROSE

Estado de um tecido resultante da morte de células.

NEONATAL

Relativo ao recém-nascido.

NEOPLASIA

Tecido anormal que cresce mais rapidamente do que o habitual, podendo ser benigno ou maligno.

NEUROLÓGICO

Relativo ao estudo da anatomia, fisiologia e patologia do sistema nervoso.

NEURONAL

Relativo aos neurônios.

NEURÔNIO

Célula nervosa responsável pela produção e condução dos estímulos.

NÓ SINOATRIAL

Ver MARCAPASSO CARDÍACO.

NORMOTENSO

Diz-se de pessoa que apresenta pressão arterial normal.

OBSTRUÇÃO

Fechamento ou estreitamento de ductos, vasos ou vísceras ocas. A obstrução coronariana, por exemplo, dificulta o fluxo normal de sangue nas artérias coronárias; a intestinal, o trânsito e a eliminação das fezes; e a respiratória, a absorção de oxigênio e a eliminação de gás carbônico.

OBSTRUÇÃO VASCULAR

Obstrução de vaso sanguíneo provocada por embolia ou trombose.

OCLUSÃO

Fechamento ou obstrução.

ÓRTESE

Dispositivo de sustenção para uso ortopédico.

OSTEOMIELITE

Infecção óssea, geralmente causada por bactéria.

OSTEOSSÍNTESE

Procedimento cirúrgico cujo objetivo é unir os fragmentos de um osso fraturado, utilizando material metálico como placas, parafusos ou pinos.

OXIMETRIA

Ver SATUROMETRIA.

PARADA CARDÍACA

Condição na qual há abrupta ausência de batimentos cardíacos.

PARALISIA

Perda da capacidade de movimentação ou de sensação causada por uma lesão de nervos ou destruição de neurônios. Pode atingir um membro ou todo o corpo.

PARÂMETROS

Na área médica, o termo designa as características momentâneas de uma determinada função ou sistema.

PARAPLEGIA

Paralisia da metade inferior do corpo: membros inferiores e parte do tronco.

PARAPLEGIA ESPÁSTICA

Paralisia das pernas com aumento do tônus muscular, o que faz com que os membros enrijeçam por movimentação voluntária ou involuntária.

PARESIA

Paralesia moderada ou fraqueza dos membros. Geralmente é causada por danos ao sistema nervoso central ou periférico.

PARKINSON, MAL DE

Condição neurológica caracterizada por tremores, rigidez muscular e comprometimento da capacidade de movimentação voluntária.

PATOLOGIA

Estudos das causas das doenças e de suas conseqüências no organismo.

PIA-MÁTER

Revestimento membranoso interno do cérebro e da medula espinhal.

PIOARTRITE

Artrite supurativa (com pus).

PLAQUETOPENIA

Diminuição do número de plaquetas abaixo do considerado normal. As plaquetas são partículas do plasma sanguíneo que têm função importante no processo de coagulação.

PLEURA

Membrana dupla que envolve externamente cada um dos pulmões e reveste internamente a caixa torácica.

PNEUMOMEDIASTINO

Presença de ar nos tecidos do mediastino (espaço no meio do tórax, entre as pleuras, onde se localizam órgãos tais como coração, esôfago, traquéia e grandes vasos sanguíneos).

PNEUMONIA

Infecção pulmonar que pode ser causada por bactérias, vírus, fungos, e leva à inflamação dos alvéolos.

PNEUMONIA ORGANIZANTE

Alteração que pode acompanhar a bronquiolite obliterante e se caracteriza pela proliferação de células cicatriciais dentro dos alvéolos, podendo levar à insuficiência respiratória.

PNEUMONITE

Inflamação dos alvéolos não causada por infecção, mas, por exemplo, por radioterapia, inalação de gases tóxicos etc.

PNEUMOTORAX

Diz-se quando existe ar na cavidade pleural (local onde normalmente só deve haver um filme de líquido pleural e não ar), dificultando a respiração.

POLITRAUMATISMO

Diz-se quando há traumatismo em diversa partes do corpo.

PONTE

Formação que une duas ou mais partes de um mesmo órgão ou estrutura.

PONTE DE VEIA SAFENA

Segmento de veia safena que ultrapassa um ponto de obstrução arterial. Quando realizada nas artérias do coração, a ponte de safena estabelece ligação entre a aorta e as coronárias. No entanto, pode ser realizada para ultrapassar qualquer ponto de obstrução arterial como: ponte de safena fêmoro-poplítea (para revascularizar os membros inferiores); ponte de safena aorto-renal (para revascularizar os rins); ponte de safena aorto-mesentérica (para revascularizar os intestinos).

PÓS-OPERATÓRIO

Diz se da fase que se segue a uma cirurgia. Os médicos costumam referir-se aos dias que se sucedem como primeiro, segundo, terceiro – e assim por diante – pós-operatório.

POTENCIAL EVOCADO

Ver EXAME DE POTENCIAL EVOCADO.

PRÉ-ECLÂMPSIA

Conjunto de distúrbios que podem ocorrer na gravidez, como edema das pernas e mãos, hipertensão, albuminuria (proteína na urina). A condição exige tratamento para evitar a eclâmpsia.

PRESSÃO ARTERIAL

Pressão com que o sangue circula pelas artérias.

PRESSÃO DE PERFUSÃO CEREBRAL

Pressão provocada por fluxo normal de sangue no encéfalo. Corresponde à pressão arterial média menos a pressão intracraniana (PPC = PAM – PIC).

PRESSÃO INTRACRANIANA

Pressão exercida no interior do crânio.

PRESSÃO SANGUÍNEA

Ver PRESSÃO ARTERIAL.

PROSTATECTOMIA

Remoção cirúrgica parcial ou total da próstata.

PROSTÁTICO

Tudo o que se refere à próstata ou a alguém que sofre de doença da próstata.

PRÓTESE

Termo médico para designar um substituto artificial de qualquer parte do corpo, como dente, artéria, braço etc.

PULMÃO DE CHOQUE

É atualmente denominado Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo e significa uma insuficiência respiratória aguda em seu mais alto grau.

PUNÇÃO

Inserção de agulha ou instrumento apropriado em veia, cavidade onde há líquido – como a medula espinhal – ou em local onde há matéria purulenta, como objetivos diagnósticos ou de drenagem.

PÚRPURA

Aparecimento de manchas na pele em consequência de hemorragia subcutânea, que pode ter causas diversas: fragilidade dos vasos sanguíneos, uso prolongado de alguns medicamentos, escorbuto etc.

QUEIMADURA

Destruição dos tecidos do corpo provocada por calor (causado por exposição ao sol, fogo, atrito ou eletricidade), frio, radiação ou produto cáustico. As queimaduras são classificadas de acordo com a profundidade dos danos causados. A queimadura de primeiro grau, por exemplo, provoca vermelhidão da pele, mas desaparece sem deixar marcas; a de segundo grau destrói as estruturas mais profundas da pele e provoca bolhas, exigindo, muitas vezes, que sejam feitos enxertos; e a de terceiro grau atinge os tecidos mais profundos, como gordura e músculo, deixando uma área aberta. Por isso, requer enxertos e apresenta risco de vida.

RADIOLOGIA

Estudo das técnicas de diagnóstico por imagem, como ocorre nas radiografias que utilizam os Raios X, e de tratamento por meio de radiação (radioterapia).

REABILITAÇÃO

Processo de recuperação das capacidades físicas e/ou mentais.

REABILITAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA

Recuperação da capacidade de fonação (falar) e/ou audição (ouvir) por meio de técnica específica.

REABILITAÇÃO POR FISIOTERAPIA MOTORA

Recursos fisioterápicos utilizados para a recuperação da capacidade de movimento.

REABILITAÇÃO POR FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA

Recursos fisioterápicos utilizados para a recuperação da capacidade respiratória.

REABSORÇÃO DE HEMATOMA

Processo de desaparecimento de um hematoma.

RECONSTRUÇÃO

Processo que restaura um tecido ou órgão lesado.

REINSERÇÃO

Processo que insere novamente um tecido no seu local próprio.

REPARAÇÃO

Correção por meio cirúrgico ou pelos processos naturais de cura.

RESPIRAÇÃO

Processo no qual o organismo leva oxigênio às células e elimina gás carbônico.

RESPIRAÇÃO ASSISTIDA POR APARELHO

Diz-se da ventilação dos pulmões por equipamento especial chamado respirador artificial ou ventilador. Este procedimento é necessário quando um paciente tem dificuldade para manter a respiração espontânea.

RESPIRADOR

Equipamento especial que insufla e desinsufla os pulmões de forma cíclica, utilizado nos pacientes que apresentam insuficiência respiratória ou não conseguem manter os movimentos respiratórios espontaneamente ( por exemplo, nos casos de anestesia geral).

RESPOSTAS MOTORAS

Diz-se quando o corpo reage a estímulos externos. Para tanto, necessita de um sistema muscular íntegro.

RESSECÇÃO

Retirada parcial de órgão ou osso.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

ver EXAMES.

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA COM ESPECTROSCOPIA

ver EXAMES.

REVASCULARIZAÇÃO

Nova formação ou multiplicação de vasos sanguíneos ou linfáticos em tecidos, órgãos ou regiões do corpo.

SATUROMETRIA

Medida do grau de oxigenação sanguínea através de um equipamento que funciona po transiluminação e que pode ser adaptado facilmente às extremidades do corpo (pontas dos dedos, orelhas, nariz etc.).

SECREÇÃO

Liberação de substâncias produzidas pelas células do corpo como, por exemplo, hormônios, saliva etc.

SEDAÇÃO

Medicar com sedativos.

SEPTICEMIA

Infecção generalizada causada pela presença e pela multiplicação, na corrente sanguínea, de microrganismos como bactérias, fungos ou vírus.

SÍNDROME MEDULAR

Problemas decorrentes do comprometimento das vias motoras e sensitivas da medula espinhal.

SONDA

Haste fina e flexível que pode ser introduzida em um canal ou cavidade do organismo. Tem diversas utilidades: diagnóstico e tratamento de condições anormais; exploração ou dilatação de um canal (ver também cateter).

SONDA GÁSTRICA

Sonda introduzida no estômago.

SONDA NASOENTERAL

Sonda introduzida pelo nariz e que vai até o intestino delgado.

SONDA NASOGÁSTRICA

Sonda introduzida pelo nariz e que vai até o estômago.

SUBGALEAL

Espaço entre o couro cabeludo e os ossos da caixa craniana.

SUB-LUXAÇÃO

Luxação incompleta ou parcial.

TECIDO

Conjunto de células diferenciadas segundo a função que desempenham no organismo.

TECIDO CARTILAGINOSO

Está presente em algumas costelas e entre as vértebras, bem como no nariz e no ouvido externo.

TECIDO CONJUNTIVO

Que une ou dá apoio a outros tecidos ou órgãos.

TECIDO NECRO-HEMORRÁGICO

Tecido com necrose e hemorragia.

TECIDO NECROSADO

Tecido com necrose.

TENDÃO

Faixa de tecido fibroso cuja função é unir um músculo a um osso.

TENDÃO PATELAR

Tecido fibroso que liga a rótula à tuberosidade anterior da tíbia.

TENDÃO QUADRICEPTAL

Tecido fibroso que liga o músculo quadríceps femural ao osso patela (rótula), na região anterior do joelho.

TETRAPARESIA

Enfraquecimento dos quatro membros.

TETRAPARESIA ESPÁSTICA

Ver TETRAPARESIA E PARAPLEGIA ESPÁSTICA.

TETRAPARESIA FLÁCIDA

Lesão neurológica que acomete os quatro membros com fraqueza muscular.

TIROIDECTOMIA

Remoção cirúrgica total ou parcial da tiróide.

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

Ver EXAMES.

TORACOTOMIA

Abertura cirúrgica da parede torácica.

TOXINA

Substância tóxica produzida por ser vivo, vegetal ou animal.

TOXOPLASMOSE

Infecção causada pelo protozoário Toxoplasma gondii. No homem, a infecção pode ser congênita ou adquirida através da exposição a fezes contaminadas de gatos ou da ingestão de carnes contaminadas mal cozidas.

TRATAMENTO ANTIMICROBIANO

Aquele que utiliza um medicamento especial para eliminar micróbios ou bactérias.

TRAUMATISMO

Lesão física ou psicológica, variável na extensão e na gravidade.

TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO

Lesão aberta ou fechada do crânio, atingindo ou não o encéfalo.

TRAUMATOLOGIA

Setor da medicina que estuda e se ocupa dos traumatismos.

TREMOR

Estremecimento involuntário dos músculos que pode estar associado a várias causas, como frio ou medo, ou ser sintoma de alguma doença.

TROMBOFLEBITE

Inflamação de uma veia, acompanhada de trombose.

TROMBOSE

Formação de um coágulo no interior de um vaso sanguíneo. A trombose impede ou dificulta o fluxo sanguíneo por uma artéria ou veia.

TRONCO CEREBRAL

Uma das partes do cérebro.

TUBERCULOSE

Infecção causada pela bactéria Mycobacterium tuberculosis. Pode se manifestar e se localizar em várias partes do corpo como pulmões, rins etc., mas geralmente é pelos pulmões que a infecção entra pelo organismo.

TUBO ENDOTRAQUEAL

Sonda introduzida na traquéia para facilitar a entrada de ar para os pulmões (neste caso, é intermediária entre a traquéia paciente e um respirador) ou para facilitar a retirada de materiais estranhos ou excesso de secreções pulmonares nas vias aéreas, através de respiração.

TUMOR

Aumento de volume de tecidos de qualquer parte do corpo. Pode ser benigno ou maligno.

ÚLCERA

Lesão aguda ou crônica da pele ou de membranas mucosas internas, cuja origem pode ter causas variadas.

VASO SANGUÍNEO

Artéria (conduz o sangue do coração para todas as partes do corpo) ou veia (conduz o sangue de todas as partes do corpo para o coração).

VASOATIVO

Que influencia o tônus e o calibre dos vasos sanguíneos.

VASODILATADOR

Droga ou agente que provoca a dilatação do vaso sanguíneo.

VASOESPASMO CEREBRAL

Diminuição do calibre de artérias do encéfalo.

VENTILAÇÃO MECÂNICA

Ver RESPIRAÇÃO.

VENTILADOR

Ver RESPIRAÇÃO.

VIA ARTROSCÓPICA

Ver ARTROSCOPIA.

VIA ENTERAL

No interior do intestino.

VIA PARENTERAL

A que utiliza outra via que não a digestiva (gástrica ou enteral) para administrar diversas substâncias (água, medicamentos, glicose etc.) a um paciente.

VIA VENOSA

No interior da veia.

VIGILÂNCIA NEUROLÓGICA

Acompanhamento da condação neurológica do paciente.

VÍRUS

Microrganismo bem menor do que a bactéria constituído por um ácido nucléico (RNA ou formação genética, e por uma capa externa de proteína. Os vírus são parasitas, pois não têm capacidade de fabricar sua própria energia e só se reproduzem no interior de células vivas.