Make your own free website on Tripod.com

Desempenho passado a limpo

Vença o medo da avaliação de desempenho e use esse feedback para crescer na empresa

Por Cassio Henrique Utiyama

Nos corredores de algumas empresas, a avaliação de desempenho já foi batizada de "f...back" -- uma brincadeirinha maldosa com a palavra feedback, que significa dizer para o profissional como ele se saiu em determinada situação. Goste ou não desse momento, você precisa se preparar. Vem aí a hora de ouvir o que seu chefe tem a dizer sobre você. "Grande parte das empresas costuma avaliar suas equipes em janeiro", afirma Marcos Morales, diretor da Watson Wyatt em São Paulo, consultoria multinacional especializada em capital humano. Esses encontros ganham apelidos nada simpáticos porque os funcionários, em geral, sentem-se inseguros quanto às questões subjetivas que envolvem uma avaliação de desempenho. "Os colaboradores sabem que o resultado pode ser influenciado, em maior ou menor grau, por referências e valores daquele que está conduzindo o processo", diz Cícero Domingos Penha, diretor de talentos humanos corporativos da Algar -- grupo mineiro que atua nas áreas de telecomunicações, agronegócios e entretenimento. Morales, da Watson Wyatt, aponta outra razão para que o feedback seja cercado por tanta ansiedade: a forma como os brasileiros encaram essa ferramenta. "Para os anglo-saxões, a avaliação de desempenho é um momento de refletir sobre os pontos em que não se saíram bem", afirma. "Os latinos, em geral, encaram o feedback como uma ofensa pessoal." Resultado: muitas vezes a situação traz à tona sentimentos como medo, frustração e decepção.

Mesmo com tantas questões mal resolvidas, é importante (e, muitas vezes, obrigatório) participar do processo. "Costumo brincar, dizendo que a avaliação de desempenho é um mal necessário", afirma Cícero Domingos Penha, da Algar. Portanto, o melhor é aproveitar esse momento para enxergar seus erros, valorizar seus acertos e afinar o rumo na organização. Se você for bem avaliado, fica mais fácil, por exemplo, pedir uma promoção ou um aumento. Essa ferramenta também pode ajudá-lo a conseguir apoio da empresa para participar de cursos e treinamentos -- e, quem sabe, ganhar uma verba para financiá-los. Veja na próxima página como fazer da avaliação de desempenho um trampolim para a sua carreira -- e não um momento de tortura.

Faça do feedback um hábito
Em vez de concentrar a avaliação numa conversa anual, procure obter feedbacks constantes com o chefe sobre seu trabalho. Isso evita que a avaliação formal se transforme numa grande surpresa e permite que você corrija os pontos críticos antes que eles virem uma bola de neve. "O funcionário deve receber um feedback formal pelo menos uma vez a cada três meses e uma avaliação informal sobre o seu desempenho sempre que possível", diz o consultor Jorge Viani, responsável pela área de práticas de remuneração e desempenho da Hewitt, consultoria multinacional em recursos humanos, localizada em São Paulo.

Essa é a filosofia do grupo Algar. Na organização, é responsabilidade da liderança corrigir o trabalho e a postura dos colaboradores sempre que necessário, em vez de fazer isso só na avaliação anual. Os funcionários assinam embaixo. "Trabalhar em um ambiente aberto e franco ajuda a deixar você menos ansioso na hora da verdade", diz o mineiro Jean Carlos Borges, de 37 anos, que atua na CTBC, em Uberlândia (MG), empresa de telecomunicações do grupo Algar. A ascensão profissional de Borges é um exemplo de como você pode (e deve) aproveitar as avaliações de desempenho para crescer na organização (confira a história dele no quadro Conversa Produtiva, na página anterior).

Controle a ansiedade
Outro ponto importantíssimo para que a avaliação de desempenho funcione: você deve se preparar emocionalmente para ela. A psicóloga Marianita Xavier Crenitte, da Novo Ser, consultoria paulista especializada em aconselhamento de executivos, diz que o primeiro passo para diminuir a ansiedade é encarar o líder como uma pessoa normal. "Se você o enxerga como um monstro ou alguém muito superior, é natural que se sinta diminuído e tenha mais dificuldade em expor suas conquistas", afirma Marianita. No final das contas, lembre-se que todo mundo tem um chefe. Até o seu.

 

Apresente resultados
Além de se preparar psicologicamente para ouvir o que o chefe tem a dizer sobre seu desempenho, você também deve apresentar números que provem que teve um ano produtivo. "Quanto mais dados para ilustrar a importância do seu trabalho para o negócio, melhor será a sua avaliação", diz Karin Parodi, sócia-diretora do Career Center, consultoria paulistana de planejamento de carreira. A tarefa fica mais difícil quando a empresa está passando por um momento financeiro delicado. "Se a organização obteve um resultado negativo, não significa, necessariamente, que você teve um mau desempenho. Mas é preciso apresentar dados que comprovem sua performance", afirma Viani, da Hewitt.

 

Assuma seus erros
Se o seu desempenho ficou abaixo do esperado, é preciso reconhecer. "Evite ter atitude defensiva diante da crítica, porque essa postura só serve para piorar as coisas", aconselha Karin Parodi, da Career Center. Em vez disso, descubra o que pode fazer para melhorar. Só assim você vai conseguir um resultado melhor na próxima vez em que tiver uma conversa dessas. Empty Picture Box


CONVERSA PRODUTIVA

Engenheiro mecânico de formação, o mineiro Jean Carlos Borges, de 37 anos, entrou na Algar em 1998. Começou como assistente comercial da ACS -- empresa de call center do grupo mineiro. Foi promovido a coordenador administrativo-financeiro da empresa um ano depois. Desde março do ano passado, é o diretor da área na CTBC (empresa de telecomunicações do grupo), em Uberlândia (MG). Nessa trajetória, Borges cita as avaliações de desempenho como um recurso fundamental para sua ascensão na empresa. "Como recebo feedbacks regulares, aproveito o processo formal para confirmar meus pontos fortes e fracos", afirma. "Aprendi, por exemplo, que podia ser mais flexível em relação ao horário de chegada das pessoas do meu time", diz ele. Borges conta que usa a avaliação para planejar o caminho que deve seguir a médio prazo e continuar apresentando bons resultados. Pelo jeito, a tática tem dando certo.

 

PLANEJE SEU FUTURO NA EMPRESA
Os consultores são unânimes em dizer que uma boa avaliação de desempenho não mostra apenas o que passou. Ela indica, também, o que a empresa espera de você no ano seguinte. Portanto, não saia da reunião sem respostas para estas perguntas:

- Quais as expetativas que a empresa tem a meu respeito para os próximos cinco anos?
- Quais os conhecimentos que devo adquirir?
- Que habilidades preciso desenvolver?
- Que atitudes preciso mudar?
- Quais as minhas possibilidades de crescimento?
- Quais as minhas metas para o próximo ano?